Amadureça. Cresça. E então floresça.


 
Eu mudei. E digo mais: ainda bem.

Talvez muitos me olhem e pensem: “Essa não é mais a menina que conheci a tempos atrás”.

Realmente, não sou mais uma menina. E não sou a mesma de tempos atrás.

A vida é feita de renúncias, escolhas e aprendizados.

Conforme você escolhe conhecer novos horizontes, você renuncia o seu eu que vivia dentro da zona de conforto, e com isso, você aprende.

Você decide viver e tirar suas próprias conclusões. Você descobre novos horizontes não só no mundo afora, mas dentro de você também. Você descobre que seu corpo é poesia para ser escrita e lida. E que mais do que seu corpo, seu coração floresce de uma maneira inexplicável.

Florescer parece algo complexo, mas na realidade, é algo puro e simples. Vindo de dentro para fora. Sua realidade interna, consequentemente se torna a externa. Você reflete o que é por dentro. Se você floresce, é porque antes mesmo de desabrochar, você já era flor. Flor e ser.

A vida é curta demais para não nos reinventarmos. Nós precisamos nos conhecer. Saber o que somos em essência. Saber do que somos capazes. E até nos descobrirmos de fato, reinventar será sempre um ato de coragem.

A vida é curta demais para nos preocuparmos tanto com as opiniões alheias. Já passou da hora de nos preocuparmos com a nossa opinião. As pessoas não vivem nossa vida, assim como não vivemos a vida delas. Aprender a se aceitar e se descobrir é um exercício diário e não é um exercício dos mais fáceis. Porém, como todo exercício, é necessário praticar para se obter o sucesso.

Depois de criarmos várias versões de nós, descobriremos nossa identidade. Nossa identidade é o que nos define. É o que nos faz reconhecidos. É o que se destaca dentre tantas outras identidades espalhadas. Cada pessoa possui algo especial, algo que a faz única. E você é único.

Reinvente-se. Sinta-se feliz consigo mesmo.

Amadureça. Cresça. E então floresça.

 

 

Share:

0 comentários