O amor é como aquela parede no canto da sala


O amor é como aquela parede no canto da sala.
Aquele bendito cantinho que vai a leilão toda vez que o ano inicia.
Lugar concorrido, não podemos negar. Eu mesma, por muito tempo me arrependi de não ter um lugar para encostar a minha cabeça durante as aulas.

É para isso que ela serve, não é mesmo?
Fazer você esquecer todo o conteúdo de Química que parece visivelmente impossível e lembrar daquele seu relacionamento que nunca deu certo, ou que provavelmente está caminhando para isso.

Costumamos enxergar o amor como um certo tipo de “apoio”. Algo que sempre, every single day, te manterá firme e feliz por ter encontrado a pessoa certa. A sua pessoa.

E penso muitas vezes que esse é o nosso maior erro.
Somos ansiosos demais para respeitar o tempo do nosso coração.
Não sabemos ir aos poucos. Não sabemos o que é ter paciência e dar um passo de cada vez. Então acabamos totalmente apoiados em uma parede que nem sequer existe.

E entre toda essa reflexão que fiz, pensei no quanto eu admiro e ao mesmo tempo tenho pena das pessoas que sentam no meio da sala, ou dos nerds que são sempre os primeiros da fila.

Os admiro, pelo foco.
Por nunca se perderem por qualquer sorriso ou olhar.

Tenho pena, por terem medo.
Medo de arriscarem tudo por algo que possa até talvez não dar certo, mas que acabaria como um lindo texto.

O amor pode até ser essa grande confusão e até ser confundido como dependência e entrega total. Mas ainda assim, é o sentimento mais puro e sincero que podemos sentir.

O amor é como aquela parede no canto da sala.
É o seu primeiro dia de aula, escolha o seu lugar.

Share:

0 comentários