Eu adoro o jeito que você me engana.




Na verdade, se irei falar a verdade ao menos uma vez, é que eu adoro o jeito que você tenta me enganar.
Ora, mentirosa que sou, sempre gostei de um mentiroso. 
E sendo mentirosa, sei quando me enganam.
Adoro seu jeito, não vou negar. 
E mais ainda, adoro meu jeito de fingir que não sei de nada.
Quando, na verdade, sei de tudo. Eu disse a verdade mais uma vez. Perdão, não irá se repetir.

Você pode até tentar encobrir uma mentira aqui, outra ali. Mas, meu bem, não adianta. 
Mulheres sabem quando não são as únicas. E não sou a única.
Porém, adoro seu jeito de me fazer sentir, como se fosse. 
Nossas aventuras são as melhores. Posso até não ser a única, mas admita que as aventuras são melhores comigo. 
Nossas descobertas são as melhores.

Posso até não ser a única, mas as descobertas são melhores comigo.
Admita que por viver sempre presa, sou livre com você. Ou será, que me prendi a você?
Acho que as duas coisas. Também não sei.
Várias mulheres no mesmo recinto, a poucos metros de distância uma das outras. Em qual delas será que você está pensando agora? Em mim?
Sempre gostei do arriscado.

E sempre apareço na vida de alguém para provocar algo. Cabe a este alguém, decidir o que. Normalmente, provoco o fato de que não sou facilmente esquecível. 
No fim, quando estiver com outras mulheres, é de mim que você vai lembrar. 
É de meu corpo que você vai lembrar, quando tocá-las. 
É de minha boca que você vai lembrar, quando beijá-las.
No final, talvez eu seja única. Talvez cada uma delas sejam também.
Cabe a você a decisão.

A diferença é que, mentirosa que sou, sempre gostei de um mentiroso. 
Se me perguntarem se essas palavras aqui ditas são para você, irei negar. 
Dizem que tudo que está oculto, um dia será revelado.
Pois bem, até esse dia chegar, ocultarei meu sentimento e a verdade é que continuarei fingindo não saber de nada. Mentirosa que sou, disse a verdade mais uma vez.


Amanda Trevisani

Share:

0 comentários