A vida



O pulso
Segue pulsante,
O sangue
Corre como fonte
... Incessante!


Quando a alegria
Que vem de fora,
- Do mundo
Das gentes
Dos outros  
Invade olhos e ouvidos,


Percorre as vísceras,
Vértebras,
Úlceras...!
E o prócero corrugador
Do supercílio
Ainda abre uma pequena fenda
Quando ocorre um sorriso.


O músculo orbicular dos olhos
Ainda contrai,
Ainda retrai
... Às vezes até trai!


A vida ainda se faz e refaz,
Ainda há ciclos.
Há alguns vícios,
Mas há força para suportar.
Força para saber calar,
Respirar,
Inspirar
... Transpassar!


Há guerra,
Mas há fôlego para guerrear.
Há gente que mente,
Mas há força para a verdade
Se espalhar
E ser latente.


Há gente!
Que sofre,
Que chora,
Que sente.


Mas há vida
Oh
... Há vida!


E se há vida,
Há paixão,
Há sentimento
... Há salvação!


 Texto e foto por: Brígida Gabriela



Share:

0 comentários