O motivo do meu sorriso


                        Sempre que eu fico triste ou vejo alguém que esteja cabisbaixo, ouço pessoas ao redor dizendo "não fica assim, sorria, fica bem!". As pessoas falam que sorrir é o melhor remédio e que o melhor da vida é ser  feliz. Mas eu toda a vida me perguntei "sorrir por quê? Ficar feliz por qual motivo?" 

Quando ficamos mal, parece que todos os motivos que nos trazem felicidade, se anulam e deixam de existir. No entanto, o meu caso era diferente: eu não tinha uma motivação maior para sorrir, não tinha um motivo inabalável por trás da minha felicidade. 

E agora, que estamos no mês do Setembro Amarelo, a campanha que intitulou o mês de Setembro como sendo o mês oficial da prevenção ao suicídio, senti que devia compartilhar mais dessa minha experiência. 

Nós temos visto muitas mensagens lindas motivacionais que nos lembram e tentam nos convencer de que é bom viver e que independente da vida que se tenha, é melhor continuar por aqui do que acabar com tudo isso em um ato tão cruel consigo mesmo. 

Mas continuar aqui por quê? Sem uma motivação fica um tanto quanto difícil prosseguir, não é mesmo? 

Eu pelo menos me perguntava isso um tempo atrás. Eu sabia que devia sorrir, que devia ser feliz, que devia sorrir, mas nunca me apresentaram uma motivação para que fizesse isso. Eu só sabia que devia fazer, mas por quê? Por quem? 

Eu sempre fui uma pessoa muito pé no chão. O típico tipo de indivíduo que precisa  se sentir seguro em absolutamente tudo que está fazendo e vivendo. Aquela pessoa que precisa saber e conhecer bem onde está pisando para prosseguir andando. E eu precisava de uma razão para sorrir. Não queria apenas sorrir por sorrir, ser feliz por ser, viver por viver. Isso seria muito vazio para um alguém tão intenso quanto eu. Até que eu, felizmente, sem precisar procurar muito, encontrei a razão que hoje move a minha vida. 

Uma vez uma pessoa não somente falou para mim que eu precisava sorrir, mas prosseguiu falando "uma pessoa um dia sofreu para que você não sofresse tanto" e isso me prendeu. Ali ela ganhou a minha atenção. E ela continuou falando que essa pessoa já tinha me amado antes mesmo de eu nascer e que tinha PROVADO o seu imensurável amor por mim antes mesmo da minha mãe planejar a minha vinda ao mundo. Ela me contou o quanto essa pessoa se humilhou por mim e se entregou ao meu favor. E que um dia essa pessoa iria me levar para morar junto com ela para sempre. Mas ela queria algo de mim em troca: que eu a amasse de volta. E eu comecei a ler mais sobre essa pessoa e fui me apaixonando aos poucos por ela. E eu pedi uma prova real de que ela estava me ouvindo, me vendo e que aquilo tudo era verdade, que ela de fato existia. E essa pessoa se revelou a mim do modo mais lindo que alguém já tinha se apresentado a mim. E eu pela primeira vez senti o prazer de um amor retribuído. E daí então essa pessoa passou a ser cada dia mais real em minha vida, e hoje ela é a minha realidade. Se eu acordo todos os dia de manhã, é porque essa pessoa e a experiência que o amor dela me trouxe, me motiva a isso. Se sorrio quando devia estar chorando, é porque ela me dá motivos para isso. Se não me entrego a tristezas profundas é porque ela é a esperança acesa e latente dentro de mim. 

Essa pessoa se chama Jesus e Ele fez o que ninguém poderia fazer por mim. Ele me amou e se entregou por mim sem se importar se eu um dia retribuiria esse amor ou não. Por isso que hoje vivo por Ele, sorrio por Ele e não me entrego a tristezas profundas por causa Dele. Eu O sinto todos os dias e todos os dias o amor Dele me alcança. Acho que todos no mundo se deviam dar a chance de experimentar esse amor. Não deviam acreditar no que muitas pessoas andam falando a respeito do nome Dele e experimentar esse amor. 

Eu posso dizer que a pessoa a quem eu entreguei meu coração, minha vida, meu corpo e minha alma, jamais irá me decepcionar. 

E é por isso que eu não me arrependo e nem me envergonho de dizer que o motivo do meu sorriso não é algo, mas alguém. 





Brígida Gabriela

Share:

0 comentários