Tontidez.



Minha cabeça gira.
Não consigo mais prestar atenção no espetáculo da vida
quando você, amadora atriz
se torna a bandida e me rouba.
Me rouba a inocência de não acreditar mais no amor.

Amor? Quem é que sente dor?
Todos.
Desde os velhos, até os novos.
Todos atingidos por este trovão da decepção.

Sinto sim,
falta daquela sua mentira bem contada na padaria da esquina
e do pão de queijo que nem chegamos a dividir.

Joga as mechas de cabelo para o alto
e sei que de salto, você se achava superior a mim.
Talvez sempre tenha sido.
Talvez nunca será.
Talvez eu devesse te esquecer nesse canto que chamo de abismo.

Mas você é tipo boleto atrasado,
de mês em mês, me ligam para me cobrar uma dívida que já paguei.
Paguei meus pecados namorando com você.

Tô aqui comendo um hambúrguer, lembrando do quanto podia ser bom.
Não foi. E talvez, nunca seria.
O destino, mais uma vez foi rei.
Você seguiu,
eu fiquei.


Lucas Iensen

Share:

0 comentários