Nunca faltou nada.




Eu não sei como é perder alguém próximo para a morte. Mas sei como é quando alguém próximo morre para mim.

Não que eu goste de comparar dores, pois cada uma tem a sua intensidade, mas confesso que morrer para alguém talvez seja sofrer em vida tudo o que alguém vai sofrer em um segundo.

Os fantasmas da sua existência volte e meia me assombram e eu só consigo pensar que talvez essa saudade nunca passe.

O buraco que a tua explosão causou não tem mais endereço, nem sobrenome. Hoje só habita a falta.
Quando na realidade, nunca faltou nada.

Você não era a forma geométrica apropriada para o encaixe do meu coração e forçamos a barra com algo que hoje eu tenho mais cautela: sentimentos.

A conta da corda foi além nesse bungee Jump que pulei e bati a cabeça.

Eu morri pra você. Você morreu pra mim.
Nessa cena de filme, só quero te enterrar de vez do que ficar lamentando e chorando em cima do seu caixão a pessoa boa que você era.




Lucas Iensen

Share:

0 comentários