Teu corpo é livro.


Julgo o livro pela capa sim, pois, é ela que me faz abrir o livro. 

Teu corpo é livro. Inocente quando fechado, alarmante quando aberto. Quando fechado, aparenta ser só mais uma história. Quando aberto, suas palavras me derrubam. 
Abro o livro, a partir do momento em que te desnudo. Desnudo teu corpo e alimento tua alma. 

Antes fechado, agora teu corpo é livro aberto. E eis que o lerei. 
Desde a curva do teu ombro, até a ponta de seus pés. 

Cada parte de teu corpo, sussurra uma palavra diferente para o meu. Tua boca é a definição de delírio. Tua língua é própria poesia da loucura. Tua mão é o verso mais sincero do prazer. Tuas costas são a perdição dos meus mais sentidos linguísticos. Teu peito é prosa quente do calor.

Cada parte de teu corpo atiça palavras no meu. 

Tua boca é delírio, em contato com a minha. Tua língua é loucura, quando a minha é ainda mais insana. Tua mão é prazer, arrepia facilmente meu corpo todo. Tuas costas são a perdição, para abrigar minhas mãos. Teu peito é calor, quando meu eu, por inteiro, vai de encontro a ele.

Teu corpo é força na hora certa. É prazer insensato. É capaz de me levar para outra dimensão do desejo. 

Dimensão esta, que contarei em um momento oportuno. Afinal, as melhores histórias possuem sempre uma continuação para prender o leitor. E cá entre nós, o leitor já está preso a mim. Ainda tenho muito para ler desse livro. 

A saga continua. E meu desejo também.

- Amanda Trevisani

Share:

0 comentários