Sonho na prisão


Já passa da meia-noite
Enquanto uns dormem
Outros se perdem em livros ou computadores
Outros trabalham, talvez já estejam voltando para casa
Ou apenas indo para o serviço
E eu estou aqui, com a cabeça no travesseiro
Sonhando acordado.

De tanto ver a felicidade alheia, me questiono
Quando será minha vez?
Até quando minha mente se alimentará apenas de migalhas da memória que, embora riquíssimas de detalhes, são apenas lembranças de momentos louváveis que já se foram?
Lembranças que alimentam desejos, que sem a esperança, não passam de tolice.

Sonho com o dia em que não serão "apenas" abraços
Quando terei mais tempo do que os dez segundo do temporizador da câmera para ter você no meu peito
É sonhar de olhos abertos com a oportunidade de tocar teu rosto e te olhar nos olhos sem nos constranger
É sobre sentar ao seu lado e ter sua cabeça apoiada no meu ombro

É ter seu olhar pra mim além da foto, é desejar ser seu.
Sonhar com o dia que ao chegar e partir, teremos algo além dos abraços já apertados e calorosos.
Me perco em devaneios acerca dos teus lábios, de conhecer seu beijo assim como já conheci seu abraço e uma amostra de seu carinho.
Me perder no seu beijo e deixar ele transbordar a paixão que tenho por quem você é. Mas não um beijo de alguém que só quer mais uma boca em uma lista de nomes, porém, quem não pensa na possibilidade de outra boca para se conhecer.

Afinal, o que nos sacia nos é suficiente e final.

Me engasgo e sufoco em desejos e sonhos
E nessa asfixia choro
De olhos abertos
Porque este sonho é pesado demais
Pra me permitir sonhar enquanto durmo
Pois não há sono maior do que o conjunto das inefáveis coisas que sinto por você
Mas que morrem aqui dentro
Perdidas nos meus pensamentos
E diluídas nas lágrimas que marcam o travesseiro onde repousa mas não descansa minha cabeça.

Boa noite para quem não sonha.



Stephen S. M.

Share:

0 comentários